04 novembro, 2015

DESMATAMENTO DE ÁREA VERDE NATIVA ''PODE ATÉ SER CONSIDERADA LEGAL'', MAS É EXPLICITAMENTE IMORAL!!!


Cidadania Ambiental
Araranguá SC, 05 de novembro de 2015
(48 / 9985.0053 Vivo)

Ao nosso modo, com outro olhar e outra atitude, estamos fazendo e registrando a história socioambiental de Araranguá e Região Sul de Santa Catarina. Participe também, seja nossa parceira/o nesta voluntária empreitada em defesa da natureza e de uma melhor qualidade de vida para toda população.
OBS. Lembrando que o simples ato de recomendar, comentar ou divulgar a leitura destas mensagens ou do blog a outras pessoas já é uma atitude ecologicamente correta!

‘’AQUI O MEIO AMBIENTE É TRATADO COM SERIEDADE, INDEPENDÊNCIA E ÉTICA!
BUSCAMOS DE FORMA ESTRITAMENTE VOLUNTÁRIA O EQUILÍBRIO ECOLÓGICO,
POR ISSO COMBATEMOS QUALQUER TIPO DE RADICALISMO OU EXTREMISMO’’


(Publicado também no jornal O TEMPO DIÁRIO e no site da CONTATO, no FACEBOOK, além da publicação do link SOCIOAMBIENTALISMO em vários outros sites e blogs)



DESMATAMENTO DE ÁREA VERDE NATIVA ''PODE ATÉ SER CONSIDERADA LEGAL'', MAS É EXPLICITAMENTE IMORAL!!!

            O desmatamento em uma área localizada às margens da BR-101, trecho antigo, entre a Aravest e o Tá na Mão, chama atenção de quem por lá passa, deixando muita gente indignada e revoltada, pois a primeira impressão que causa é de uma brutal agressão ambiental ao verde da vegetação nativa ali existente há muitas décadas. O caso causou polêmica, tanto que recebemos vários telefonemas, e-mails e mensagens via in box no Face.
            Em contato com a FAMA recebemos a informação que haviam autorizado mediante condicionantes via medidas compensatórias, de acordo com a legislação vigente, ou seja, o Código Florestal. Esta legislação pode ser considerada legal, mas é explicitamente imoral e retrógrada! Legislação que foi criada pela bancada ruralista para atender os interesses de desmatamento da Amazônia ou de qualquer outro bioma, como a Mata Atlântica, Caatinga, Cerrado, Pantanal e o Pampa. Ou seja, o empreendedor irá promover o replantio em outro local, mas a FAMA não exigiu um plano de manejo da fauna local ou de locomoção... o trator e a moto serra é que determinaram o destino destas espécies...
            O corte foi interrompido pela ação da Polícia Ambiental, que teve que agir mediante a quantidade de reclamações.

            A falta de sensibilidade à biodiversidade exacerba a ganância promovendo danos à natureza, muitas vezes irreversíveis a determinados ecossistemas... Uma pena que o sistema seja assim tão permissivo a ponto de sacrificar santuários ecológicos de espécies que contribuem com equilíbrio ecológico...!!!
    
   
A formação da palavra biodiversidade se dá pela união do radical Bio = vida e da palavra diversidade = variedade, por isso conclui-se que biodiversidade significa ‘variedade de vida’.
A biodiversidade reúne toda a variedade de vida, desde micro-organismos até animais e plantas. É o conjunto de espécies que estabelece uma inter-relação na qual cada ser, por mais simples que seja, tem uma função fundamental na composição do ecossistema.
A biodiversidade funciona como uma máquina, em que animais e vegetais são suas engrenagens. Por exemplo, se uma espécie de vegetal for comprometida, poderá ocasionar a extinção daquele animal que o tem como base de sua dieta. Esse animal que se extinguiu, por sua vez, possuía uma função na cadeia alimentar ou na própria natureza.
A preservação da natureza e da diversidade garante a proliferação da vida.
As indústrias têm focalizado sua atenção às florestas, para conhecer espécies que podem ser utilizadas como matéria-prima na produção de medicamentos e cosméticos, mas não pensam que essa exploração pode alterar ou impactar as áreas de possível extração.
O homem com sua capacidade de pensar, gerar riquezas e desenvolver tecnologias, cria várias coisas, mas não consegue (ou não quer) recriar o habitat que ele mesmo danificou.
Estudos revelam que nos próximos 25 anos, de duas a sete espécies em cada 100 vão se extinguir. É importante saber que cada planta extinta ocasiona a perda de 30 espécies de animais e insetos que dela dependem.
Eduardo de Freitas
Graduado em Geografia



            A culpa é de todos nós, desde os técnicos que fazem os primeiros levantamentos aos que analisam as propostas de loteamento em áreas verdes de interesse ecológico, por exemplo, como a em questão. Desde arquitetos e engenheiros que devem alertar os empreendedores da importância de consultar biólogos, por exemplo, com intuito de manter uma parte da vegetação nativa preservada como valorização e atrativo especial ao investimento seja ele qual for.
            A área certamente está inserida nas nascentes que contribuem com o Açude Mané Angélica, futuro manancial de abastecimento de Araranguá, com capacidade hídrica bem superior ao Açude Belinzoni, daí mais uma razão para a prefeitura passar a orientar-se nas diretrizes do Plano Diretor e passar a identificar estas áreas de extrema relevância ao bem do coletivo araranguaense!

OBS. Poderia ficar aqui a elaborar uma espécie de tratado, copilando estudos e trabalhos científicos relevando a importância da flora na perpetuação das espécies, mas deixo as imagens falarem por si, afinal uma foto pode valer por mais de mil de palavras, não?!

    
Lado Sul do Açude Mané Angélica, ao lado do loteamento...



OBS.
    O mesmo empreendedor que pretende lotear o mencionado local está tentando licenciar um condomínio fechado no topo do Morro Azul, na Urussanguinha, local até bem pouco tempo atrás considerada uma APP e deixou de ser em função da alteração na legislação do famigerado Código Florestal ruralista. Porém para a população araranguaense o Morro Azul, assim como o Centenário e Agudo, continuam sendo áreas verdes de extrema relevância ecológica e paisagística!
      Tanto que faremos de tudo para que o Município de Araranguá a enquadre ao dispositivo DO DIREITO DA PREENPÇÃO, da Lei Federal nº 10.257/2001, do Estatuto das Cidades, caso a atual administração não proteger esta área verde única, entraremos com uma ACP contra qualquer alvará ou licenciamento que venha ser concedido a qualquer empreendimento no local.



Sócios da Natureza
Organização Não-Governamental

CNPJ 02.605.984/0001-60
Ofício de Registro de Pessoas Jurídicas, Araranguá - SC – Livro nº A-2, Folhas nº 039, Registro nº 364 de 18/05/1998.

ONG criada em 05 de Junho de 1980 para defender a natureza e uma melhor qualidade de vida para Araranguá e a região sul de Santa Catarina.

(Prêmio Fritz Muller de 1985 e Menção Honrosa do Prêmio Chico Mendes em novembro de 2010,
 instituído pelo ICMBio e MMA)

Ocupa a presidência do Conselho Ambiental do Município de Araranguá (COAMA) e
 a Coordenação Geral da Federação de Entidades Ecologistas Catarinenses (FEEC), além de ser
 Conselheira Representante da Região Sul do País no Conselho Nacional de Meio Ambiente CONAMA
e Conselheira do FNMA

Integra o FÓRUM INTERCONSELHOS da Presidência da República que participou do PPA 2016/2019

CONSIDERADA DE UTILIDADE PÚBLICA PELO MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ
Lei nº  1817 de 15 de junho de 1998

‘’trabalhando exclusivamente de forma voluntária e sempre buscando objetivos de interesse coletivo’’

Rua Caetano Lummertz nº 386/403 – CEP 88900 043 – Araranguá – Santa Catarina
Celular:  48 – 9985 0053