28 agosto, 2021

Saudações Nazistas em sala de aula na SATC - Siecesc em Criciúma SC


 

Alguém sabe indicar ou informar uma matéria elucidativa e esclarecedora sobre o flagrante de 'saudação nazista' em sala de aula da SATC, sede do SIECESC, pois encontrei apenas uma de autoria da Caroline Borges e Catarina Duarte, do qual encontrei no G1.

OBS:::Ainda continua a mania de jogar a 'sujeira carbonífera' para debaixo do tapete, uma antiga neura negacionista, do qual a mídia local e regional sempre foram cúmplices em defesa do poder econômico... uma vergonha!!!

A ‘viadagem’ do prefeito deve ter saído até no NYT, pois o Caetano Veloso chegou a criar uma charge do Salvaro como um exemplar reacionário autoritário...               

Nota:::No dia 27 de agosto escrevi o comentário:::Que vergonha, meu Estado de Santa Catarina tem comprovadamente demonstrado ser o mais nazista do Brasil, depois do surgimento do mito boZonaZi na eleição de 2018, qdo o miliciano obteve a maior votação proporcional ao cargo da Presidência da República. Depois das constantes visitas do presidente boZonaZi e do filho 'cara de bandido' ao estado, incluindo as idiotas motociatas, surgiram várias condutas reacionárias e negacionistas, como dos policiais militares que se negaram vacinar, o flagrante comércio de objetos nazistas na região norte do estado e agora as saudações nazistas em colégio privado em Criciúma, na região sul!

Nota:::O colégio não poderia ser outro senão a SATC, o centro educacional que sustenta o SIECESC, o famigerado sindicato das minas de carvão mineral...!!!

OBS Acesse ao link para visualizar o vídeo

((( https://g1.globo.com/.../escola-de-criciuma-suspende...)))

23 agosto, 2021

DINÂMICA DO TRÂNSITO NO PERÍMETRO URBANO DE ARARANGUÁ SC



 Temos acompanhado a dinâmica do trânsito do perímetro urbano da Cidade das Avenidas, do contorno da duplicação da rodovia BR-101 e da orla marítima entre o Morro dos Conventos e Ilhas. Não se percebe conflitos, como engarrafamentos ou quaisquer outras formas de impedimentos a livre mobilidade urbana, com exceção das APPs na Orla Marítima, como o tráfego de veículos na beira da praia e sobre as dunas com restinga, fora esta desconcertante e inadequada situação, tudo ocorre aparentemente dentro das expectativas para uma cativante aldeia, localizada em um município de 65 mil habitantes...

Como sempre me manifesto desde 1984, Araranguá é uma cidade boa e saudável pra se viver!!!
OBS. Em 2008, fiz um comentário nesta linha proativa para um desenvolvimento sustentável mencionando a implantação da UFSC e IF-SC, do Saneamento Básico, da Duplicação da BR-101 e fui multado pelo TSE por fazer propaganda eleitoral extemporânea...
NOTA:::O único problema é a incômoda poluição sonora, principalmente as contravenções causadas por veículos, seja pela emissão do som automotivo, da propaganda sonora e das motos barulhentas, que emitem ruídos ensurdecedores, pois os pilotos criminosamente arrancam os silenciadores e os catalisadores para satisfazer um idiota modismo.
Infelizmente as autoridades pouco atuam contra os crimes cometidos a luz do dia e na calada da noite. A permissividade resulta em uma negacionista omissão. Ligar para o 190 pouco resolve, principalmente se a baderna sonora é móvel, que se desloca rápido, como um carro ou uma moto. A realização de blitzes, seria uma das soluções mais práticas, como outros Batalhões da PM o fazem como forma de disciplinar os arruaceiros/baderneiros, geralmente alcoolizados e drogados!!!

20 agosto, 2021

NEM A BOA EDUCAÇÃO E NEM O RESPEITO AO PRÓXIMO MAIS EXISTEM NA IMENSA MAIORIA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA...

 Nem a 'boa educação' e nem o 'respeito ao próximo' mais existem na imensa maioria da população brasileira, com destaque a catarinense, que a gente convive cotidianamente. O significado da palavra 'permissividade' é a capacidade de aceitar erros. Não sei precisar em que ano assisti uma palestra aqui em Araranguá, proferida pelo Comandante Geral da Polícia Militar de Santa Catarina, do qual abordava uma maior aproximação entre a sociedade e as polícias militares. Sua preocupação era estreitar as relações com a população, facilitadas através de comunicações entre as comunidades e as corporações. Coincidentemente na época houve um conflito da nossa ONG com o promotor de justiça (MPE) e o comandante do 19º Batalhão PM, quando tivemos que recorrer à Ouvidoria da Polícia Militar (Florianópolis) por volta de 2005, em razão da intensa poluição sonora no perímetro urbano da nossa cidade e cidades vizinhas da Comarca de Araranguá. Na ocasião criticávamos a 'permessividade' ou tolerância ou flexibilidade das autoridades para com os infratores do artigo 42 da Lei de Contravenções Penais LCP. Na época estava iniciando o modismo de circular de carro com som alto nas vias públicas, inclusive nas madrugadas dos finais de semana, seguindo o abusivo procedimento dos carros de propaganda sonora. Esta baderna sonora só veio a reduzir quando o CONTRAN criou Resolução 624/2016, do qual em muito contribuímos para sua elaboração, enquanto estávamos como 'Conselheiro da Nação' no CONAMA em Brasília (entre 2009 e 2016). A falta de educação e respeito voltou com as estranhas políticas do governo Bolsonaro interferindo negativamente em vários avanços democraticamente conquistados. Baseado em uma matéria publicada na mídia que o governo do Moisés iria investir 350 milhões em infraestrutura da polícia militar de SC, enviamos a 'Ouvidoria do Estado SC' uma manifestação expressando nossa preocupação...até o momento não recebemos resposta... A baderna sonora promovida pelos 'carros' infelizmente continua e está aumentando, agora o modismo é retirar criminosamente os escapamentos ou canos de descargas seja de carros e motos. O ruído emitido pelas motos é ensurdecedor, provavelmente ultrapassa 100 decibéis e pode causar pânico até a distância de um quilômetro, afetando e perturbando o sossego de crianças, autistas, enfermos, idosos entre tantas outras pessoas e inclusive animais domésticos como cães, gatos e pássaros! As inadequadas e descabidas declarações do presidente da República tem desencadeado uma série de conflitos nos demais poderes da Nação, desde o Legislativo até o Judiciário, com desdobramentos críticos da mídia nacional e mundial, que democraticamente pode-se afirmar que sejam uma leitura ou gritos da posição do povo! Com tais atos e atitudes o presidente está aumentando o nível de permissividade em várias esferas institucionais e da sociedade civil. Como por exemplo ao liberar a atividade de 'construção civil' nos domingos agride brutalmente direitos civis e humanos adquiridos ao longo da nossa História, como o direito ao sossego, ou seja, os direitos de qualquer cidadão terminam onde começam os direitos dos outros. Isto é básico, é sagrado, é constitucional!!! Aqui na minha querida cidade que adotei para viver desde 1984, do qual fui agraciado em 2004 com o Título de Cidadão Araranguaense' (pelos serviços prestados ao meio ambiente), mesmo com suas deficiências estruturais, ainda considero uma 'cidade saudável para se viver', apesar da incômoda poluição, não apenas do Rio Araranguá pelas minas de carvão a montante da bacia hidrográfica, mas dos perturbadores ruídos inconvenientes e desnecessários a dinâmica do desenvolvimento do Município de Araranguá... (a população quer barulho de sirenes de indústrias, de turismo sustentável e das contagiantes alegrias das pessoas...!). Enfatizamos que a poluição não ocorre apenas com as formas de mobilidades urbanas, mas de aglomerações em APP de uso judicialmente restrito (Decisão Judicial do TRF 4) na beira da praia, dunas e restingas, como também na plataforma de voo livre e no espaço do Farol no Morro dos Conventos...!!! Não estamos mais acreditando que as chamadas ao 190 sejam resolvidas adequadamente, pois a Polícia Militar não é mais como antigamente, além da falta de infraestrutura operacional as regras parecem que sofreram significativas alterações de conduta, dai a nossa preocupação com o investimento do estado na PM sem uma socialização cidadã e disciplinar do policial, conforme manifestamos no documento protocolado na Ouvidoria do Estado de SC...!!!

Curtir
Comentar

‘CONTINUAMOS BUSCANDO A SENSATEZ URBANA’

 

‘CONTINUAMOS BUSCANDO A SENSATEZ URBANA’
Nem a 'boa educação' e nem o 'respeito ao próximo' existem mais na imensa maioria da população brasileira, com destaque a catarinense que convivemos cotidianamente. O significado da palavra 'permissividade' é a capacidade de aceitar erros. Não sei precisar em que ano assisti uma palestra aqui em Araranguá, proferida pelo Comandante Geral da Polícia Militar de Santa Catarina, do qual abordava uma maior aproximação entre a sociedade e as polícias militares. Sua preocupação era estreitar as relações com a população, facilitadas através de comunicações entre as comunidades e as corporações. Coincidentemente na época houve um conflito da nossa ONG com o promotor de justiça (MPE) e o comandante do 19º Batalhão PM, quando tivemos que recorrer à Ouvidoria da Polícia Militar (Florianópolis) por volta de 2005, em razão da intensa poluição sonora no perímetro urbano da nossa cidade e cidades vizinhas da Comarca de Araranguá. Na ocasião criticávamos a 'permissividade' ou tolerância ou flexibilidade das autoridades para com os infratores do artigo 42 da Lei de Contravenções Penais LCP. Na época estava iniciando o modismo de circular de carro com som alto nas vias públicas, inclusive nas madrugadas dos finais de semana, seguindo o abusivo procedimento dos carros de propaganda sonora. Esta baderna sonora só veio a reduzir quando o CONTRAN criou a Resolução 624/2016, do qual em muito contribuímos para sua elaboração enquanto estávamos como 'Conselheiro da Nação' no CONAMA em Brasília (entre 2009 e 2016). A falta de educação e respeito voltou com as estranhas políticas do governo Bolsonaro interferindo negativamente em vários avanços democraticamente conquistados. Baseado em uma matéria publicada na mídia de que o governo do Moisés iria investir 350 milhões em infraestrutura da polícia militar de SC, enviamos a 'Ouvidoria do Estado SC' uma manifestação expressando nossa preocupação, mas até o momento não recebemos resposta. A baderna sonora promovida pelos 'carros' infelizmente continua e está aumentando, agora o modismo é retirar criminosamente os escapamentos ou canos de descargas seja de carros e motos. O ruído emitido pelas motos é ensurdecedor, provavelmente ultrapassa 100 decibéis e pode causar pânico até a distância de um quilômetro, afetando e perturbando o sossego de crianças, autistas, enfermos, idosos, entre tantas outras pessoas, inclusive animais domésticos como cães, gatos e pássaros. As inadequadas e descabidas declarações do presidente da República tem desencadeado uma série de conflitos nos demais poderes da Nação, desde o Legislativo até o Judiciário, com desdobramentos críticos da mídia nacional e mundial que democraticamente pode-se afirmar que sejam uma leitura ou gritos da posição do povo! Com tais atos e atitudes o presidente está aumentando o nível de permissividade em várias esferas institucionais e da sociedade civil. Como, por exemplo, liberar a atividade de 'construção civil' nos domingos agride brutalmente os direitos civis e humanos adquiridos ao longo da nossa História, como o direito ao sossego, ou seja, os direitos de qualquer cidadão terminam onde começam os direitos dos outros. Isto é básico, é sagrado, é constitucional!!! Aqui na minha querida cidade que adotei para viver desde 1984, do qual fui agraciado em 2004 com o Título de Cidadão Araranguaense' (pelos serviços prestados ao meio ambiente), mesmo com suas deficiências estruturais, ainda considero uma 'cidade saudável para se viver', apesar da incômoda poluição, não apenas do Rio Araranguá pelas minas de carvão a montante da bacia hidrográfica, mas dos perturbadores ruídos inconvenientes e desnecessários na dinâmica do desenvolvimento do Município de Araranguá... (a população pode até tolerar o barulho das cidades, como as sirenes de indústrias, a movimentação resultante do turismo sustentável e das contagiantes alegrias das pessoas...!). Enfatizamos que a poluição não ocorre apenas com as formas de mobilidades urbanas, mas de aglomerações em APP de uso judicialmente restrito (Decisão Judicial do TRF 4) na beira da praia, dunas e restingas, como também na plataforma de voo livre e no espaço do Farol no Morro dos Conventos...!!! Não estamos mais acreditando que as chamadas ao 190 sejam resolvidas adequadamente, pois a Polícia Militar não é mais como antigamente, além da falta de infraestrutura operacional, as regras parecem que sofreram significativas alterações de conduta, daí a nossa preocupação com o investimento do estado na PM sem uma socialização cidadã e disciplinar do policial, conforme manifestamos no documento A LIVRE EXPRESSÃO AINDA É PERMITIDA protocolado na Ouvidoria do Estado de SC.
TadêuSantos
((https://l.facebook.com/l.php...]-R&c[0]=AT29nLc5sUZdWILWxXeAGx2pFdOO7Ujxgb_aDP_boRa18zSvxUs_IijCypTJI16yJVmPKMlpl7DLBx3btVbSnwweNWzubl9FIyBAoVQ-xmWaGQ3UwKWKnnfPp4TrOMlCoG6a1pE63B0pUpLif1iru8lKdi1RejGoOa8UzuryL7clt-RGIJgkbudyl9B_Hgh7GZSyr84 ))

NEM TODOS GOSTAM DE BARULHO, DE BADERNA SONORA

 

NEM TODOS GOSTAM DE BARULHO, DE BADERNA SONORA

Quem tem treinamento para falar ou lidar com os contraventores que causam poluição sonora são os policiais civis e militares. Contraventores estes que são exibicionistas e masoquistas, como os motoristas dos carros com som automotivo e os motoqueiros que andam com os escapamentos / descargas alteradas e catalisadores retirados, acessórios desenvolvidos com altíssimos custos e critérios ecológicos, para um idiota insensato alterar ou arrancar.

Se você ouvir ruídos emitido por algo móvel não adianta ligar para o 190, apenas se o barulho é de algo imóvel e torcer para que haja viatura disponível, pois este tipo de crime não está entre as prioridades da polícia, principalmente a militar. Como se percebe e se escuta, os contraventores sonoros estão voltando com muita liberdade à trafegar, inclusive à noite e nas madrugadas araranguaenses, certamente pela permissividade ou omissão das autoridades!

Que pena que seja assim, que pena que a nossa cidade que busca incessantemente o desenvolvimento sustentável e equilibrado, para uma vida ainda mais saudável aos munícipes, tenha que conviver com pequenas contravenções que não disciplinadas se desdobram em contravenções perigosas e criminosas para a sociedade...!!!


29 junho, 2021

Um outro olhar sobre a trágica mineração do Sul de SC /// Parte I

 


https://invest.exame.com/esg/apenas-3-dos-brasileiros-negam-o-aquecimento-global-diz-estudo-da-yale


Um outro olhar sobre a trágica mineração do Sul de SC /// Parte I
Discordo dos percentuais apontados na matéria em anexo, de que apenas 3% dos brasileiros negam o aquecimento global, considerando que vivo em uma região carbonífera, com exploração e queima de carvão mineral para geração de energia elétrica (o combustível fóssil mais poluente e mais caro) na maior usina termelétrica da América Latina 856MW.
Esta famigerada atividade causou um dos maiores desastres socioambientais do país, provocando impactos aos recursos naturais, contaminando rios de três bacias hidrográficas, invalidando a vida de milhares de trabalhadores mineiros com a incurável pneumonoconiose entre outras maleficências à saúde pública, além de comprometer a qualidade do ar e contribuir para o desequilíbrio da camada de ozônio, que resulta nas mudanças climáticas com a violência das águas e dos ventos, como a intensidade e frequência das enchentes, ciclones, tornados e o furacão Catarina!!!
Mediante o catastrófico cenário descrito e ocorrido durante mais de 50 anos de degradação, onde em 1980, foi criada a ONG Sócios da Natureza para combater a poluição do Rio Araranguá, nenhuma ação de fato foi efetivada para a recuperação e revitalização deste relevante curso d'água, como também dos mananciais das outras bacias hidrográficas.
A população da região sul de Santa Catarina acompanhou toda a trajetória, seus governantes fizeram de conta faziam alguma coisa, mas como políticos nunca fizeram nada de fato, apenas tentaram atribuir que a mineração valeu a pena pelo progresso que trouxe à Criciúma e região, um discurso vergonhosamente covarde e conformista, pois se pagou um preço muito alto para o enriquecimento de poucos, que até hoje dominam os meios de comunicação e a rendosa política de cargos legislativos e executivos, com declarado apoio do povo, que não lembra dos estragos em suas vidas, seja de parentes ou de amigos, como também das potencialidades agredidas de forma brutal pelas minas de carvão... por estas e outras que discordamos com o percentual apontado pelo Yale na revista Exame.
Nota: Na mesa do Bolsonaro e seus seguidores, na pizzaria em Chapecó, havia junto dois deputados de Criciúma representantes das mineradoras...!!!

21 junho, 2021

 



MANIFESTO PELA PRISÃO PERPÉTUA ou PENA DE MORTE Estamos elaborando um manifesto, do qual registraremos em cartório (no devido momento), solicitando a condenação com prisão perpétua ao presidente da República Jair Messias Bolsonaro, ao presidente do Senado Rodrigo Otavio Soares Pacheco, ao presidente Câmara Arthur César Pereira de Lira, ao ministro presidente do STF Luiz Fux e ao ministro da Defesa general Braga Neto. Como também não poderíamos deixar de incluir o ex-ministro da saúde general Eduardo Pazzuello e o atual Marcelo Antônio Cartaxo Queiroga Lopes, o ex-secretário executivo do Ministério da Saúde coronel Antônio Elcio Franco Filho, o ex-ministro de Relações Exteriores Ernesto Henrique Fraga Araújo, a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde médica Mayra Pinheiro (capitã cloroquina).  

Nota:::Os mencionados mereciam ‘pena de morte’, como os judeus fizeram com os genocidas capturados após o holocausto, mas daí estaríamos agindo da mesma forma reacionária e negacionista, como também seria uma decisão que iria contra nossos princípios constitucionais e de direitos humanos!  

Vamos sugerir a CPI da Covid-19 a complementação da lista com outros negacionistas que tiveram alguma responsabilidade, tanto no descaso com a morte das 500.000 mil vítimas da Covid-19 quanto na defesa do uso de medicamentos não recomendados pelas ciências médicas, como senadores, deputados, governadores, senadores, deputados estaduais, juízes e promotores. Não se deve esquecer os cientistas e os profissionais das áreas médicas, artistas, jornalistas entre tantos outros que estão dificultando a assistência aos contaminados e a imunização por vacinas.      

Se a quantidade dos condenados chegar a mesma quantia de mortos, do qual será acima da sinistra contabilidade de 500.000 mortos, que a população ansiosamente todos os dias aguarda os anúncios fúnebres, ‘o governo deverá construir uma penitenciária’, que abrigue desconfortavelmente todos responsáveis direta ou indiretamente pelas mortes (e pelos sequelados), do qual estimasse em mais de 500 condenados podendo chegar a 600, preferencialmente em local bem visível para ficar na memória dos parentes que perderam seus entes queridos neste ‘holocausto sanitário’, como também para que sirva de exemplo aos futuros mandatários dos poderes constituídos que regem qualquer Nação no planeta Terra!!! 


      

17 junho, 2021

FOTOGRAFIAS ANTIGAS E RARAS

 https://www.illumeably.com/ic-article/unexplored-historical-pics/90/?utm_source=vsparks-de&utm_medium=twitter&utm_campaign=vs-ww-ili-historical-tw-s-1&twclid=11405618273010528257



15 junho, 2021

‘A Livre Expressão Ainda é Permitida’

 



‘A Livre Expressão Ainda é Permitida’

Como ‘ainda’ é permitida a livre expressão da palavra em meu país (depois dos bloqueios nas redes sociais), mesmo com falhas corriqueiras de redação, (afinal não sou nenhum catedrático na língua portuguesa) apenas acho que escrevo de um modo que seja uma leitura compreensível, não que agrade todos, finalidade esta que não é a minha intenção. Tentarei, então, ao meu modo manifestar opinião a respeito do investimento em Segurança Pública do Governo do Estado de Santa Catarina.

Esclarecendo que sempre fui apartidário, no entanto, como cidadão politizado e engajado, tenho senso crítico, afinal vivo em uma aldeia globalizada, onde a omissão, é, até prova em contrário, uma covardia!   

O Governo de SC investirá 343 milhões em Segurança Pública, investimento necessário para garantir a segurança, a eficiência e o conforto dos agentes de campo e de escritórios, mas de efeito paliativo, se analisado no contexto da geopolítica estadual, pois em relação a redução dos níveis de pobreza, que caracterizam as ingratas desigualdades sociais, de onde surgem os altos índices de criminalidade, nada será implantado, pelo menos foi o que entendi.

No meu entendimento, não adianta apenas aplicar em equipamentos e armas, que considero necessário, mas a prática da formação familiar (um curso que todo mundo vivência de uma forma ou de outra) aponta que não resolve dar apenas brinquedos a criança, pois é preciso uma série de complementações, como por exemplo, de amor, educação, diálogo, perdão entre tantos outros...

Armar a polícia é necessário no atual estágio civilizatório da nossa sociedade, em especial no Brasil, devido ao sistema, que pouco investiu em educação gratuita, moradia, saneamento básico, saúde, entre outras necessidades compatíveis com o estado de direito da população, criando um perverso fosso entre as classes sociais. Outros países, como por exemplo, a Islândia, já aboliu o militarismo, pois apenas 'armar por armar', corre o risco quase real de aumentar a repressão e opressão sobre a população, principalmente de baixa renda, de onde surgem, na grande maioria, as revoltas e resistências ao estabilishment... 

Programas com políticas públicas mesmo bem elaboradas não fazem milagres a curto prazo, mas experiências mostram que a educação acompanhada de desenvolvimento socioeconômico muda os corações e mentes da população, principal camada da sociedade civil, que está em preocupante desequilíbrio social! Na década de 70, a Coréia do Sul promoveu uma revolução sócio econômica, armando a população com livros e escolas por um considerável período, atualmente possui um IDH satisfatório e um invejável PIB! 

Vivemos em sistema democrático, porém ainda frágil, pois permite incentivo da covarde exploração do homem pelo homem, permite de forma explícita o livre trânsito de políticos gananciosos junto às esferas do poder econômico e da politicagem, andando paralelamente às políticas liberais que tratam com descaso os pobres e miseráveis, que causam a fome, o desemprego, a violência e a burra idiotice do negacionismo, uma neura surgida das crendices religiosas e militares bolsonarianas.

Percebe-se que a medonha pregação negacionista tem influenciado negativamente corações e mentes de policiais militares em SC. A burra resistência à aplicação da vacina, certamente se estende às medidas preventivas recomendadas, como o uso de máscara, higienização das mãos e o isolamento social. A não vacinação é preocupante por demonstrar uma falta de socialização dos mesmos, afinal o risco da não imunização de um indivíduo é a possível infecção dos outros que o cercam.

Observa-se ainda em quase todo o estado e no país uma grave omissão em relação a poluição sonora provocada pelo som automotivo e os ruídos das motos com descarga alterada para produzir um ronco ensurdecedor (aqui na minha cidade, por modismo, estão retirando o silenciador até de carros). Ambas as contravenções circulam nos perímetros urbanos, inclusive nas madrugadas, causando pânico à população, como em crianças, autistas, idosos, hipertensos e pessoas com alguma enfermidade. Uma permissividade que fatalmente leva à violência e à criminalidade se as condutas não forem disciplinadas. Tanto aqui na minha cidade, como em Florianópolis, já não ligamos mais para o 190, pois a resposta é a ensaiada de sempre, que avisarão a viatura que está em uma outra operação.   

Ainda bem que o governador Carlos Moisés, que ainda não tem os vícios da velha política, mas se elegeu na onda bolsonarista, é, digamos, menos pior que a vice bolsonarista Daniela Heinehr, vista como reacionária e negacionista, além de oportunista, impressão que deixou no período da interinidade do processo do impeachment.

Uma pena que o meu Brasil ainda seja assim!!!



‘A Livre Expressão Ainda é Permitida’



 

 ‘A Livre Expressão Ainda é Permitida’

Como ‘ainda’ é permitida a livre expressão da palavra em meu país (depois dos bloqueios nas redes sociais), mesmo com falhas corriqueiras de redação, (afinal não sou nenhum catedrático na língua portuguesa) apenas acho que escrevo de um modo que seja uma leitura compreensível, não que agrade todos, finalidade esta que não é a minha intenção. Tentarei, então, ao meu modo manifestar opinião a respeito do investimento em Segurança Pública do Governo do Estado de Santa Catarina.

Esclarecendo que sempre fui apartidário, no entanto, como cidadão politizado e engajado, tenho senso crítico, afinal vivo em uma aldeia globalizada, onde a omissão, é, até prova em contrário, uma covardia!   

O Governo de SC investirá 343 milhões em Segurança Pública, investimento necessário para garantir a segurança, a eficiência e o conforto dos agentes de campo e de escritórios, mas de efeito paliativo, se analisado no contexto da geopolítica estadual, pois em relação a redução dos níveis de pobreza, que caracterizam as ingratas desigualdades sociais, de onde surgem os altos índices de criminalidade, nada será implantado, pelo menos foi o que entendi.

No meu entendimento, não adianta apenas aplicar em equipamentos e armas, que considero necessário, mas a prática da formação familiar (um curso que todo mundo vivência de uma forma ou de outra) aponta que não resolve dar apenas brinquedos a criança, pois é preciso uma série de complementações, como por exemplo, de amor, educação, diálogo, perdão entre tantos outros...

Armar a polícia é necessário no atual estágio civilizatório da nossa sociedade, em especial no Brasil, devido ao sistema, que pouco investiu em educação gratuita, moradia, saneamento básico, saúde, entre outras necessidades compatíveis com o estado de direito da população, criando um perverso fosso entre as classes sociais. Outros países, como por exemplo, a Islândia, já aboliu o militarismo, pois apenas 'armar por armar', corre o risco quase real de aumentar a repressão e opressão sobre a população, principalmente de baixa renda, de onde surgem, na grande maioria, as revoltas e resistências ao estabilishment... 

Programas com políticas públicas mesmo bem elaboradas não fazem milagres a curto prazo, mas experiências mostram que a educação acompanhada de desenvolvimento socioeconômico muda os corações e mentes da população, principal camada da sociedade civil, que está em preocupante desequilíbrio social! Na década de 70, a Coréia do Sul promoveu uma revolução sócio econômica, armando a população com livros e escolas por um considerável período, atualmente possui um IDH satisfatório e um invejável PIB! 

Vivemos em sistema democrático, porém ainda frágil, pois permite incentivo da covarde exploração do homem pelo homem, permite de forma explícita o livre trânsito de políticos gananciosos junto às esferas do poder econômico e da politicagem, andando paralelamente às políticas liberais que tratam com descaso os pobres e miseráveis, que causam a fome, o desemprego, a violência e a burra idiotice do negacionismo, uma neura surgida das crendices religiosas e militares bolsonarianas.

Percebe-se que a medonha pregação negacionista tem influenciado negativamente corações e mentes de policiais militares em SC. A burra resistência à aplicação da vacina, certamente se estende às medidas preventivas recomendadas, como o uso de máscara, higienização das mãos e o isolamento social. A não vacinação é preocupante por demonstrar uma falta de socialização dos mesmos, afinal o risco da não imunização de um indivíduo é a possível infecção dos outros que o cercam.

Observa-se ainda em quase todo o estado e no país uma grave omissão em relação a poluição sonora provocada pelo som automotivo e os ruídos das motos com descarga alterada para produzir um ronco ensurdecedor (aqui na minha cidade, por modismo, estão retirando o silenciador até de carros). Ambas as contravenções circulam nos perímetros urbanos, inclusive nas madrugadas, causando pânico à população, como em crianças, autistas, idosos, hipertensos e pessoas com alguma enfermidade. Uma permissividade que fatalmente leva à violência e à criminalidade se as condutas não forem disciplinadas. Tanto aqui na minha cidade, como em Florianópolis, já não ligamos mais para o 190, pois a resposta é a ensaiada de sempre, que avisarão a viatura que está em uma outra operação.   

Ainda bem que o governador Carlos Moisés, que ainda não tem os vícios da velha política, mas se elegeu na onda bolsonarista, é, digamos, menos pior que a vice bolsonarista Daniela Heinehr, vista como reacionária e negacionista, além de oportunista, impressão que deixou no período da interinidade do processo do impeachment.

Uma pena que o meu Brasil ainda seja assim!!!