29 maio, 2014

CAPITAL BARRIGA VERDE SAIA DA ILHA E VÁ PARA O CONTINENTE!!! / LAGOA DO CAVERÁ, O ATUAL CENÁRIO CONTINUA DESESPERADOR! / FAM 2014 / SUSTENTAR 2014

Cidadania Ambiental

Araranguá – SC, 30 de maio de 2014
(48 / 9985.0053 Vivo)
Ao nosso modo, com outro olhar e outra atitude, estamos fazendo e registrando a história socioambiental de Araranguá e Região Sul de Santa Catarina. Participe também, seja nossa parceira/o nesta voluntária empreitada em defesa da natureza e de uma melhor qualidade de vida para toda população.
OBS. Lembrando que o simples ato de recomendar, comentar ou divulgar a leitura destas mensagens ou do blog a outras pessoas já é uma atitude ecologicamente correta!
‘’AQUI O MEIO AMBIENTE É TRATADO COM SERIEDADE, OBJETIVIDADE, INDEPENDÊNCIA E ÉTICA!
BUSCAMOS DE FORMA ESTRITAMENTE VOLUNTÁRIA O EQUILÍBRIO ECOLÓGICO,
POR ISSO COMBATEMOS QUALQUER TIPO DE RADICALISMO OU EXTREMISMO’’

(Publicado também no jornal O TEMPO DIÁRIO, VOZ DO SUL e no site da CONTATO, no FACEBOOK, além da publicação do link SOCIOAMBIENTALISMO em vários outros sites e blogs)


CAPITAL BARRIGA VERDE SAIA DA ILHA E VÁ PARA O CONTINENTE!!!

Se o projeto do então Deputado Estadual Martinho Herculano Ghizzo tivesse sido aprovado certamente que Florianópolis, mais precisamente a ilha de Santa Catarina não estaria com tantas complicações, como o desordenado uso e ocupação do solo, com sérios conflitos ambientais e com o caótico trânsito. A ilha tem naturalmente vocação turística e agora com a divulgação inglesa que considerada como uma das cidades com pessoas mais bonitas do mundo certamente reforçará o fascínio trazendo mais visitantes.
Basta que os órgãos estaduais e federais sejam transferidos para outros municípios do estado democratizando assim geograficamente o acesso a todos catarinenses, digo orgulhosamente Barrigas Verdes.
A ilha do Município de Florianópolis, integrante de um relevante arquipélago de ilhas (infelizmente ainda não reconhecido como tal!!!) não suporta mais tantos impactos ambientais. Lixo e esgoto despejam no mar sem nenhum tratamento, áreas de relevante interesse ecológico e morros são ocupados de forma totalmente errônea, o trânsito é caótico e stressante e outras deficiências estruturais e sociais de centros urbanos que não atendem ou não atenderam adequados planejamentos.
Se uma mudança radical como esta do ex-Deputado Araranguaense não for tomada, não adiantará aguardar por promessas políticas, pois nem a construção de uma outra ponte solucionará o caos do trânsito por exemplo, já que o automóvel é e será sempre preferido da população que pouco usa o transporte coletivo. O Plano Diretor aprovado continua a atender preferencialmente os interesses imobiliários, ou seja, o Estatuto das Cidades não conseguiu em Florianópolis contemplar as necessidades da população.  
A Ilha da Magia, agora do Caos e do Esgoto, tem potencial para ser uma das mais fascinantes do mundo, mas é preciso que a população passe a cobrar dos governantes mudanças significativas em todas as esferas, desde a urbanização, educação, segurança, saúde, meio ambiente para proporcionar mais qualidade de vida à toda população!

LAGOA DO CAVERÁ, O ATUAL CENÁRIO CONTINUA DESESPERADOR!
            Existe um princípio cientifico que afirma que todos os sistemas lagunares tendem a desaparecer de forma natural, infelizmente a ação antrópica está acelerando este processo de assoreamento, ou seja, a atuação do homem é geralmente impactante a estes frágeis ecossistemas!
            A lagoa do Caverá é um exemplo deste processo, pois o atual cenário é desesperador, já que pouco ou quase nada se fez para salvar este importante manancial hídrico, ora pertencente a quatro municípios da AMESC, sendo a sede da vila em Araranguá, que divide o território com Arroio do Silva, Sombrio e Gaivota. Percebemos ao longo do tempo que ocorreram e ainda ocorrem muitas aparições relâmpagos de políticos prometendo isto ou aquilo, porém nada avança, nem mesmo o prometido vertedouro com barragem pelo Deinfra...
            O fato de este domínio geográfico ser dividido entre os diferentes interesses dos quatro municípios e não haver um órgão orientador como o comitê de bacias, dificulta ainda mais as decisões de implementar medidas rígidas e viáveis, como forma de iniciar a recuperação e ou revitalização da lagoa e seu sistema de entorno.
            Recentemente propus a diretoria do Comitê Araranguá passar a estudar a possibilidade de adotar o gerenciamento dos recursos hídricos da bacia hidrográfica do rio Mampituba, mas infelizmente não houve interesse. Se necessário e urgente, mesmo que construam a barragem com o vertedouro, a elaboração de um Plano de Bacias não apenas para a lagoa do Caverá, mas para todo o sistema lagunar chamado de Sombrio envolvendo a lagoa da Serra e dos Bichos.
            Menciono isto, porque a lagoa do Caverá pertence geograficamente à bacia hidrográfica do Mampituba, que mesmo com todo nosso empenho Barriga Verde e Gaúcho não conseguimos criar o Comitê da Bacia Hidrográfica do Mampituba, por ser considerada de âmbito federal, já que divide os dois estados e depende da ANA/MMA.


SUSTENTAR 2014
Assisti algumas palestras do seminário ‘’SUSTENTAR 2014’’ sobre ENERGIAS SUSTENTÁVEIS, CONSUMO RESPONSÁVEL, AGRICULTURA RURAL E URBANA promovido pela Assembleia Legislativa de SC, quando no debate fiz uma provocação ao deputado Pedro Uczai para que incluísse na pauta das reivindicações sobre incentivos as energias renováveis a redução dos incentivos concedidos a queima de combustíveis fósseis no sul de SC, comprovadamente na contramão da história. Com a falta dos palestrantes que abordariam os temas MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (cancelaram na última hora), solicitei ao moderador deputado Dirceu Dresch que tentasse junto aos mesmos o teor das suas apresentações e enviassem aos participantes por tratar-se de temas de grande importância.  


FAM 2014


Assisti a abertura do FAM – FLORIANÓPOLIS DO MERCOSUL NA TELA DE FLORIPA , ‘’’O Cinema do Mercosul na Tela de Floripa’’’, do qual meu filho Marx Vamerlati faz parte da produção Barriga Verde com a Direção de Fotografia no ‘’O TEMPO QUE LEVA’’ com a talentosa e sensual MAYANA NEIVA. Tem ainda o meu genro Sandro Fabrício Ramos na Comissão Organizadora junto com o Tiago Santos, filho do cineasta idealizador Antonio Celso dos Santos.
Vou sugerir para as próximas edições um viés ecológico ao festival, com mostras paralelas de obras que tenham abordagem socioambiental, já que no Brasil apenas o festival de Goiás proporciona esta relevante oportunidade aos cinéfilos.

SUPER 8 EM 80

Encontrei no FAM a cineasta Maria Emilia Azevedo do qual fazíamos parte do grupo de Super 8 em 80 em Floripa, junto com o Gilson Gihel, Ricardo Arcari, Alberto Fermiano, Wolf Ruhland, Mauro Faccioni, Marco Aurélio Ramos, Angelo Sganzerla e Lena Bastos. Na ocasião promovemos uma espécie de oficina com o cineasta Rogério Sganzerla nas dependências da Alfândega e produzi o documentário sobre as primeiras eleições dentro do regime da ditadura militar, constante no livro História do Cinema de Santa Catarina do Zeca Pires e do Norberto Depizolatti.