17 outubro, 2011

Visita ao trecho do contorno/desvio da BR-101 de Araranguá

Fotos Flávia Grechi




Cidadania Ambiental
Araranguá – SC, 18 de outubro de 2011.
(48 / 9985.0053)

Ao nosso modo, com outro olhar e outra atitude, estamos fazendo e registrando a história socioambiental de Araranguá e Região Sul de Santa Catarina.

(Publicado todas terças na contracapa do jornal OTEMPO DIÁRIO)



‘’BREVE RELATO’’
Visita ao trecho do contorno/desvio da BR-101 de Araranguá
(UMA HISTÓRICA CONQUISTA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA DO MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ)

Numa iniciativa da ONG Sócios da Natureza, ocorreu no dia 11.10.11 uma visita às obras do contorno/desvio de Araranguá (lote 29), com um grupo de autoridades políticas e técnicas da Administração Municipal de Araranguá. Destacando a presença do vice-prefeito Sandro Maciel, secretário de administração Daniel Viriato, secretário de planejamento Leonardo Tiscoski, assessora de imprensa Flávia Grechi e o superintendente da FAMA Paulo Simon e diretor de operação Luiz Leme. Presente também o Sr. Arilton – presidente da Associação de Moradores da Vila Operária (UAMA). ‘’Ciceroneando tecnicamente’’ o grupo, estavam três engenheiros da supervisão da obra, destacando o supervisor-chefe João R. Schmitt acompanhado pelo eng. Edson Klimeck e eng. Jonatan Piazzoli, além do nosso convidado especial Daniel A. Bronstrup, historiador araranguaense que está elaborando sua dissertação de Mestrado/UDESC sobre o processo do contorno/desvio de Araranguá.
OBS. Dos demais convidados que justificaram ausência, citamos o prefeito Mariano Mazzuco, o diretor da Defesa Civil Ernani Palma Ribeiro e os vereadores Ilson Sasso e Eduardo Chico Merêncio. O prefeito Mariano faltou em virtude do falecimento do seu irmão e o Palma Ribeiro por haver viajado para Florianópolis para receber o Certificado da ‘’Campanha da Estratégia Internacional para Redução de Desastres (EIRD/ONU)’’, do qual comentaremos na próxima edição da Cidadania Ambiental. Convidado foi também o presidente do CGBHRA e do COAMA.

Esclarecendo que a razão da visita se deve ao fato de conhecer e principalmente prestigiar a execução da obra neste local. O momento foi de extrema significância social e ambiental, pois a obra é resultante de uma histórica conquista da sociedade civil organizada de Araranguá, iniciada em 1998 e motivada na época pela ONG Sócios da Natureza durante um período de quase oito anos, juntamente com outras entidades representativas do Município de Araranguá (totalizando 49). A reivindicação encaminhada ao DNIT/MT propunha uma alternativa de traçado além do trecho original, porém com forte resistência do empreendedor, governantes e de outras sete entidades locais.

Apenas com a visita de uma missão do BID de Washington/EUA, que veio a Araranguá atendendo solicitação nossa (através de e-mail), é que foi possível promover o desvio da rodovia do Mercosul por fora do perímetro urbano (na época banco financiador da obra). Foi a primeira vez na história deste país que houve uma alteração do projeto original de uma rodovia federal por influência de um movimento social e ambiental. As justificativas apresentadas eram várias, destacando a solução para as cheias que interditavam a pista da rodovia, a segregação socioeconômica com os enormes elevados/viadutos dividindo a cidade, a intensa poluição sonora, a insegurança no trânsito e uma ‘’segunda ponte’’ para o rio Araranguá, entre outros fortes argumentos relacionados ao planejamento urbano, em sintonia com as diretrizes do Plano Diretor. Mais informações acesse o blog http://www.desvio-contorno-ararangua.blogspot.com/

Fomos cordialmente muito bem recebidos pelos técnicos que, antes forneceram capacetes de segurança aos visitantes, responderam todos os questionamentos formulados e em duas horas foram realizadas seis paradas para ''vistoria e registro fotográfico’’, no trecho de 7 km entre a ‘’Família Carneiro’’ e o ferro velho ‘’Tá na Mão’’, próximo ao posto da Polícia da Rodoviária. Mesmo considerado um trecho ‘’classe zero’’ pelo IBAMA, por não permitir acessos secundários, excetuando os previstos no projeto original, haverá um acesso na Vila Operária.

Nossa primeira preocupação direcionou-se a qualidade e segurança do acesso norte ao perímetro urbano de Araranguá, que deve ser amplo, seguro e atrativo para os usuários que saem da pista da duplicação da BR-101 em direção ao perímetro urbano de Araranguá. Lembramos que não queremos um acesso simplório e inseguro como o executado para acessar Içara pelo lado norte. Observando que a acentuada curva do contorno pelo lado sul nos preocupava na planta do projeto, mas ‘’in loco’’ ficou satisfatória e aparentemente segura. O acesso sul a Araranguá continuará praticamente na mesma situação atual.

Definitivamente o contorno/desvio tinha que ser sobre elevado/viaduto para evitar o represamento das cheias. Como havíamos solicitado na época, não haverá nenhum impedimento no trecho de domínio embaixo do elevado, ficando livre a passagem para os agricultores, da mesma forma que não haverá mais interrupção do tráfego da BR-101 em decorrência de cheias do Rio Araranguá, porém o greide da duplicação poderá causar algum efeito dique a montante da bacia. Importante registrar que numa parte da pista já concluída percebemos que a qualidade é bem superior aos trechos de outros lotes já finalizados mais ao norte da rodovia até Palhoça, que apresentam irregularidades e defeitos na pista. De acordo com as informações prestadas, se tudo correr bem, o trecho poderá ficar concluído no final de 2012 ou início de 2013 com a conclusão da ponte (230 mts) sobre o Rio Araranguá, interligada com elevado/viaduto sobre a SC 449.
OBS. A obra do contorno/desvio de Araranguá é na verdade uma obra de arte tão significativa quanto as outras da duplicação, tanto pela grandiosidade arquitetônica e de engenharia, quanto pelo fato de ser resultado de uma conquista popular.

O trecho atual da rodovia, também com dimensão de 7 km, deverá passar ao domínio do município, se o DNIT e o Ministério dos Transportes (MT) concordarem, tanto que a Prefeitura Municipal de Araranguá já formalizou a solicitação em 2009. Havendo concordância entre as partes, o trecho federal deve ser entregue ao domínio do município de Araranguá completamente restaurado, obviamente após a liberação do contorno, com todas as especificações e condicionantes reivindicadas para atender as necessidades das diretrizes do Plano Diretor. Mais informações acesse http://desviopelavida.blogspot.com/

OBS. Com a construção da segunda ponte a 800 mts ao oeste da atual e a nova ponte da Barranca ligando ao centro, o sistema viário no entorno do rio que dependia apenas da atual ponte da rodovia, passa a ter uma nova dinâmica na interligação com a rodovia BR-101.
OBS. Ainda falta o IBAMA e o DNIT/MT apresentarem o projeto do contorno à população araranguaense, através de reunião ou audiência pública, de acordo com Resolução do CONAMA, para um melhor entendimento da magnífica obra com suas devidas especificações.

"Nunca duvide que um pequeno grupo de cidadãos preocupados e comprometidos possa mudar o mundo; de fato é só isso que o tem mudado".
Margaret Mead, antropóloga.