30 janeiro, 2012

ACADEMIA DE LETRAS ARARANGUAENSE - ALA; 30 MIL VISITAS; ABRIGO NOS PONTOS DE ÔNIBUS; KAREM SUYAN; YATE CLUB; GRUPO FACE MORRO DOS CONVENTOS;

Cidadania Ambiental
 Araranguá – SC, 31 de janeiro de 2012.

(48 / 9985.0053 TIM)

Ao nosso modo, com outro olhar e outra atitude, estamos fazendo e registrando a história socioambiental de Araranguá e Região Sul de Santa Catarina. Participe também, seja nossa parceira/o nesta voluntária empreitada. O simples ato de recomendar a leitura destas mensagens já é uma atitude ecologicamente correta!

(Publicado também todas terças na contracapa do jornal OTEMPO DIÁRIO)


ACADEMIA DE LETRAS ARARANGUAENSE – ALA

Ayres Koerig e João dos Pintos da Silva - TS2012
No dia 26 de janeiro de 2012 reuniram-se na Casa da Cultura de Araranguá diversas pessoas ligadas à literatura, que de uma forma ou de outra, tiveram suas obras escritas publicadas, destacando o lendário Ayres Koerig, o Nilton Matos Pereira, o João dos Pintos da Silva, o Antonio C. Spricigo, o Vaner L. Batista, a Léia Batista, a Karem Suyan, a Laís C. Souza, a Fernanda Guidi e Tadeu Santos pela publicação do livro MEMÓRIA E CULTURA DO CARVÃO: IMPACTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS (em conjunto com a historiadora Juliana Vamerlati Santos). Ficou decidido pela participação na ALA a escritores de outros municípios do Vale do Araranguá, como forma de integração e fortalecimento da Academia. A abertura da primeira reunião para criação da ALA foi realizada pela nova Secretária da Educação e Cultura Rosângela M Casagrande, sob a coordenação do Diretor de Cultura Jair Anastácio. Presentes ao ato a psicóloga Silvana Guggis, o artesão Mário F Silva, o historiador Daniel Vieira e a produtora Liliane Souza.
OBS. Mais informações a ALA acesse http://www.aletrasa.blogspot.com/



NOSSOS BLOGS ATINGIRAM 30.000 MIL VISITAS

Muito nos honra ter atingido a marca de 30.000 mil visitas nas páginas dos nossos blogs e quase cinco mil visitas no nosso perfil, demonstrando assim que muitas pessoas se interessam pelo que a gente escreve, tornando ainda mais gratificante o ato de escrever. Estas visitas são espontâneas e voluntárias, pois não fizemos divulgação, além da publicação das colunas semanais no Jornal O Tempo Diário e numa lista de e-mails. Vários sites de renome nacional também vez ou outra publicam nossos artigos, basta conferir no Google (Os dados estatísticos citados são do Blogger).
OBS. Ao nosso modo, com outro olhar e outra atitude, estamos fazendo e registrando a história socioambiental de Araranguá e Região Sul de Santa Catarina. Participe também, seja nossa parceira/o nesta voluntária empreitada. O simples ato de recomendar a leitura destas mensagens já é uma atitude ecologicamente correta!




Modelo de abrigo de Curitiba
ABRIGOS NOS PONTOS DE ÔNIBUS

O ponto de ônibus é um local intermediário para os usuários do transporte coletivo que deve sempre merecer atenção da municipalidade, mantendo-o seguro e confortável aos cidadãos que ali esperam o ônibus, tanto para ir ao trabalho ou voltar para casa ou mesmo para o passeio.

Se a administração municipal tem dificuldades em mantê-los adequadamente, deveria então motivar as empresas de ônibus a conservá-los, considerando que o conforto dos passageiros usuários deve ser do interesse das empresas, pois a boa qualidade do transporte coletivo motiva o cidadão a andar de ônibus, daí então a necessidade de também proporcionar abrigos com estruturas atraentes e limpas, bem iluminadas e com lixeiras ecologicamente corretas.

A parceria público/privada quando bem elaborada e aplicada de forma transparente pode produzir benefícios ao coletivo, com vantagens aos empreendedores. A questão dos abrigos nos pontos de ônibus, como tantas outras obras ou equipamentos de uso público, devem ser incentivados para a melhoria da qualidade de vida da população.


KAREM SUYAN CLEZAR BORGES
Karem Suyan C Borges
A conterrânea cidadã Karem Suyan Clezar Borges é uma das mulheres da região sul de SC que se pode classificar como uma respeitável ativista política. Filha de pais e avós políticos e tendo também seu esposo de origem de família de políticos. Foi candidata à prefeita de Praia Grande em duas eleições e atualmente tem uma coluna semanal de conteúdo em um órgão da mídia regional. Performance pessoal resultante de uma experiente trajetória jornalística e artística, tanto no teatro quanto no cinema, além de ser uma exemplar educadora da rede estadual de ensino e promissora escritora, tanto que participou da formação da Academia Araranguaense de Letras - AAL.


FSM 2000 E 2005 
Toda a coordenação da ONG Sócios da Natureza esteve no 1º Fórum Social Mundial - FSM realizado em 2000, em POA. Alugamos uma van e ficamos acampados na beira do rio Guaíba. Como convidado palestrante estive em 2005, abordando o impacto do carvão em nossas vidas, quando apresentamos os líderes da resistência de Santa Cruz / Içara e num outro momento participei de uma mesa sobre eventos extremos (furacão Catarina) representando o Brasil, conforme foto em anexo.
OBS. Pelo visto a grande sacada do FSM que encerrou, foi a declaração da presidente Dilma, de que o Código Florestal ''não será o texto dos sonhos dos ruralistas''. ''Isto, porém, não significa que o Código será perfeito, mas sinalizou que não sancionará do jeito que está''. A preocupação é a quantidade reduzida de público que poderá ser um reflexo para a Rio+20, é preciso ser repassado o formato do FSM de acordo com um dos seus organizadores, pois a média dos eventos anteriores é de 150 mil participantes, enquanto que nesta edição compareceram apenas 30 mil pessoas.


YATE CLUB MORRO DOS CONVENTOS
O Yate Clube foi fundado no início da década de 1960, por ilustres araranguaenses e veranistas do Morro dos Conventos, é uma das associações de lazer mais conceituadas do município de Araranguá e região, com a realização de eventos e shows históricos, mas é a promoção das festas de carnaval que mais se destaca, inclusive promovendo uma festa específica para crianças. Sua piscina é aberta ao público sob uma pequena taxa de manutenção e o ancoradouro junto ao rio é de uso publico, qualquer visitante pode utilizar para colocar sua embarcação náutica no caudaloso rio Araranguá. Toda a flora, fauna e dunas inseridas em sua extensão territorial são cuidadosamente protegidas. Um dos integrantes da diretoria tem ao longo dos últimos 15 anos disponibilizado sua lancha para expedições de estudo no Rio Araranguá ou para matérias de divulgação turística, além de sempre encarar a violência das águas no salvamento de flagelados das cheias que frequentemente ocorrem no Rio Araranguá, apoiando a Defesa Civil, Prefeitura e o Corpo de Bombeiros, por exemplo.


MUTILAÇÃO DE ÁRVORES NO CENTRO DE CRICIÚMA
O repentino corte de árvores nativas no centro de Criciúma causou revolta e indignação em muita gente (No Facebook já deve ter rolado centenas de manifestações), já aqui em Araranguá o corte dos exóticos pinus eliottis para substituir por árvores nativas foi de certo modo aceito pela população. Propomos na ocasião, como medida compensatória, a criação de um pequeno bosque no Jardim Alcebíades Seara formado exclusivamente de Mata Atlântica. A idéia foi acatada pelo Sec. Leonardo da SEPLAN, que prometeu incluir na revitalização do jardim da Praça Hercílio Luz.
  

IGNORÂNCIA, IMPUNIDADE OU IMUNIDADE?
Porque alguns motoristas disc-jóqueis ainda continuam a circular pelas vias públicas emitindo som em altíssimo volume no período da manhã, da tarde, da noite e da madrugada? Os proprietários de camionetas de cor amarela, cinza, branca, preta são os principais, mas outros tipos de veículos também transitam aqui no perímetro urbano, perturbando o sossego alheio e na praia do Morro dos Conventos colocando em risco a segurança dos banhistas. Seriam estes meliantes ignorantes, impunes ou imunes?


GRUPO FACE ''MORRO DOS CONVENTOS'' CRIADO PELO RODOLFO NICOLAZZI PHILIPPI
O grupo Morro dos Conventos no FaceBook, criado pelo Rodolfo Philippi, tem provocado construtivos debates sobre um pouco de tudo que acontece no balneário do Morro dos Conventos, um santuário ecológico que foi carinhosamente lapidado pela natureza. Registra-se que nesta pequena escala do tempo, nestes últimos duzentos milhões de anos os últimos inquilinos não estão tratando-o adequadamente. Temos tentado sensibilizar as pessoas para a importância da preservação deste riquíssimo, mas delicado ecossistema, mas não é fácil... Agradeço por ter me convidado, pois tive a oportunidade de fazer e provocar várias manifestações de cunho socioambiental que poderão ainda resultar em benefícios à biodiversidade.



IGREJA MATRIZ DE ARARANGUÁ
Foto Tadeu Santos
Jan 2012

Igreja Matriz em Araranguá - TS2012
                                                                             

UMA PERGUNTA QUE SURGIU COM O EPISÓDIO DA INTERDIÇÃO DA PONTE DA BR-101: A balsa que faz a travessia do rio Araranguá deveria fazer o transporte dos veículos como um serviço de utilidade pública da mesma forma que fosse uma ponte, ou seja, um equipamento público!!!










OBS.
AGRADECEMOS A TODOS QUE ACESSARAM NOSSOS BLOGS E REAFIRMAMOS QUE ESTAREMOS SEMPRE À DISPOSIÇÃO PARA CONTRIBUIR, ESCUTAR, ORIENTAR, APRENDER COM A ÉTICA, OU SEJA, SER PARCEIRO NA EMPREITADA DA DIFÍCIL  MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POR UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA PARA TODOS.




24 janeiro, 2012

POLUIÇÃO SONORA - A TERCEIRA MAIS PREJUDICIAL À SAÚDE PÚBLICA DE ACORDO COM A OMS

Cidadania Ambiental
Araranguá – SC, 24 de janeiro de 2012.
(48 / 9985.0053 TIM)

Ao nosso modo, com outro olhar e outra atitude, estamos fazendo e registrando a história socioambiental de Araranguá e Região Sul de Santa Catarina.
Participe também, seja nossa parceira/o nesta voluntária empreitada...
''O ATO DE RECOMENDAR A LEITURA DESTAS MENSAGENS JÁ É UMA ATITUDE ECOLOGICAMENTE CORRETA!!!''


(Publicado também, na integra, todas terças na contracapa do jornal OTEMPO DIÁRIO)                                                                                                           ..................................................................................................................................PSIU, RESPEITE MEUS DIREITOS
........................... ..............................................................................................QUE COMEÇAM ONDE TERMINAM OS SEUS!!!

Carta enviada ao

COMANDANTE MEISTER

Inicialmente desejamos a Vossa Senhoria e Batalhão um Feliz 2012!

Retornando para a questão da poluição sonora, parabenizamos a Polícia Militar pelo combate a redução do barulho no perímetro urbano de Araranguá, mas infelizmente ainda existem jovens que continuam abusando com a mania de circular nas vias públicas emitindo som em altíssimo volume. A grande maioria dos transgressores são os proprietários das camionetas ‘’pick up’’, carregadas com equipamento sonoro de grande potência na carroceria do veículo.

Se eles, os jovens infratores, sabem que a legislação não permite o som em volume alto ou qualquer tipo de perturbação do trabalho e do sossego, cuja informação é intensamente veiculada pela mídia, então porque continuam a desobedecer? Estariam provocando as autoridades ou são ignorantes em relação à legislação ou estariam sob efeito de álcool e droga? Esta é a pergunta que não quer calar!

Como não entendemos sobre regimento militar, não sabemos se cada viatura tem uma função específica de atuação, pois percebemos noutro dia que uma viatura ao passar por uma destas camionetes (discoteque ambulante), um dos policiais fez sinal com a mão para que o motorista baixasse o volume, e que imediatamente o fez, enquanto que numa outra situação um automóvel passou emitindo som alto em frente a uma viatura e não houve nenhuma reação dos policiais perante a flagrante infração / contravenção.

Como a tecnologia está ficando mais acessível ao cidadão e agora também podemos medir a intensidade do som com decibelímetro inserido em aparelho celular, talvez sem muita precisão e sem a qualificação/verificação do Inmetro, mas de certo modo refletindo a média do intenso ruído de qualquer fonte. Registrando aqui que no sábado, dia 07, captamos uma média entre 110 e 130 decibéis, emitido por uma moto com escapamento alterado (tipo moto de competição), desfilando nas vias públicas de Araranguá. O barulho é ensurdecedor, pois causa pânico em crianças, idosos e enfermos, e não se justifica tal abuso, sobretudo porque nossas vias públicas não são pistas de competição.

Informações que nos chegam da Comunidade do Morro dos Conventos são desanimadoras, pois no dia 07 e 08 (sábado e domingo), haviam dezenas de carros estacionados e circulando em velocidade na praia, com demonstrações de total embriaguês dos motoristas e ocupantes dos veículos (inclusive sentados perigosamente nas janelas), colocando em risco os banhistas. Esta invasão predadora em uma APP é ilegal e perigosa. Não existe nenhuma autorização legal que permite tráfego de veículos na beira da praia e muito menos sobre as dunas.

Continuam os jipes, camionetas e motos devastando as dunas e áreas de restinga, ou seja, nada mudou! ‘’Os meliantes se acham donos do pedaço’’ assim definiu um morador revoltado. O que leva estas pessoas praticarem esta agressão e desrespeito com a natureza? Seria porque se consideram poderosas e protegidas da impunidade?

Se os interesses que atendem os empresários e políticos estão a contento, alertamos que não, pois a baderna assusta e afasta os turistas que realmente investem em balneários, desde que estes sejam seguros e ordenados. Afirmamos que com esta baderna generalizada o balneário do Morro dos Conventos só tem a perder.

A comunidade está revoltada, pois dizem que antigamente não era assim e em outras praias este tipo de ‘’loucura’’ já foi proibido. Em várias redes virtuais o assunto mais debatido é a baderna no balneário do Morro dos Conventos, único local da orla marítima que está sendo permitido este abuso.

O uso de APP é permitido por lei apenas quando trata do benefício coletivo (desde que com conservação), não de uma minoria que degrada os frágeis ecossistemas e jogam lixo na natureza. As agressões que estão cometendo no Morro dos Conventos são crimes ambientais gravíssimos de acordo com a Lei n° 9.605/98 e o Código Florestal (inclusive o novo em tramitação...)

Concordamos plenamente com Vossa Senhoria que a responsabilidade do controle da poluição sonora não é apenas da Polícia Militar, mas também de outros órgãos, como da Civil e Ambiental, que os carros que produzem propaganda sonora a fiscalização é de competência da Prefeitura e da FAMA, da mesma forma que alvarás para casas noturnas e outros congêneres. Que o Ministério Público tanto Estadual quanto o Federal devem apoiar as ações e medidas que estejam em acordo ao cumprimento da legislação como, por exemplo, o programa ‘’Silêncio Padrão’’. Em virtude deste reconhecimento, que enviaremos cópia as autoridades representantes dos órgãos mencionados e entidades da sociedade civil organizada.

Comandante Meister, esperamos estar contribuindo com o aperfeiçoamento da manutenção da ordem pública, para o bem estar da população araranguaense e colocamo-nos a disposição do Comando para quaisquer outras informações.

Atenciosamente

Eliane Scremin
Coordenadora Geral da ONG Sócios da Natureza – Fundada em 1980.
Araranguá – SC, 12/01/2012


NOTA

Conforme enfatizamos na ‘’carta em anexo’’ enviada ao Comandante Meister na data de hoje, que iríamos repassar uma cópia as autoridades e representantes de órgãos e entidades direta ou indiretamente envolvidas na campanha contra a poluição sonora no município de Araranguá.

Uma histórica campanha da ONGSN desde o ano de 2002, ou seja, já são dez anos tentando sensibilizar as pessoas a respeitar o direito constitucional de ter sossego na sua rotina de trabalho, no descanso e mesmo no lazer.

OBS. Admitimos a existência dos inevitáveis sons de uma cidade, porém não toleramos os abusos, estes comprovadamente maléficos à saúde pública!
Abaixo a cordial e prestativa resposta do Comandante Meister.


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////


PREZADA COORDENADORA DA “SÓCIOS DA NATUREZA”,


Parabenizo-vos pelas palavras muito bem colocadas em vossa missiva, agradecendo pela parceria e valiosa colaboração.

Esclareço que a ordem deste Comando aos policiais militares é inibir ao máximo o uso abusivo de som, principalmente o automotivo, pelas ruas da cidade. Mas é um serviço que nem sempre é possível se ter dedicação exclusiva por parte das guarnições motorizadas, pela gama de serviço que cada uma tem que desenvolver durante as 24 horas do dia.

Nossa guarnições, além do atendimento de ocorrências policiais - que são uma média de 40 por dia - efetuam também, diariamente: rondas comerciais, bancárias e penais, rondas nos bairros e em pontos sensíveis, escoltas de presos para audiências judiciais, bem como, para delegacias, hospitais, postos de saúde, cartórios, bancos, etc.
Mas, em que pese à falta de efetivo que nos impede de desenvolver ações exclusivas e mais intensas no combate ao uso abusivo de som, ressalta-se que o maior índice de ocorrências atendidas pela Polícia Militar no Vale do Araranguá é a da perturbação do sossego e trabalho alheios.

Quanto à APP do Morro dos Conventos, estou reforçando as ordens para a guarnição PM que está encarregada do Patrulhamento diário daquela área, para intensificar ações no sentido de inibir os delitos que lá vêm ocorrendo, tanto com relação à perturbação do sossego, como também, no que refere às agressões ao meio ambiente.

Além disso, operações policiais tem sido desenvolvidas semanalmente por este Comando pelas ruas e bairros de Araranguá, visando inibir a ocorrência de delitos, incluindo o da perturbação.

No mais, continuamos à disposição.

Att.,

Edemir Meister

Ten Cel PM – Comandante
19° Batalhão de Polícia Militar
Av. Engenheiro Mesquita, 586 - Centro - Araranguá - SC
CEP 88.900-970, Fone (48) 3524-0022. 19bcmt@pm.sc.gov.br
Coordenada geográfica: -28.555770° -49.285574°
SEGURANÇA: por pessoas do bem para o bem das pessoas.
05 de maio de 2011, aniversário 176 anos da PMSC.

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
QUER CURTIR SOM ALTO???  É UM DIREITO DE TODOS, MAS ENTÃO USE FONE DE OUVIDO...

17 janeiro, 2012

O DESENVOLVIMENTO DE ARARANGUÁ E DA REGIÃO DO EXTREMO SULCATARINENSE - AMESC

(Parte final)

O DESENVOLVIMENTO DE ARARANGUÁ

E DA REGIÃO DO EXTREMO SUL CATARINENSE (AMESC).


(Texto escrito no início de 2010)


Tanto o município de Araranguá quanto a região da AMESC ainda não possuem um ‘’Plano de Estratégia para um Desenvolvimento Ordenado’’ para a discussão/debate do período pós-duplicação da importantíssima rodovia BR-101 e da implantação de dois equipamentos de educação de qualidade e gratuitos como o campus da UFSC e do IF-SC, que indubitavelmente proporcionarão desdobramentos inimagináveis para a economia e para a qualidade de vida da população regional. Este plano também deverá contemplar a real possibilidade de fixação da foz/barra do Rio Araranguá, a obra mais elencada do FDESC, com enormes impactos ambientais, mas que resultará em benefícios a atividade da pesca artesanal e da manutenção da cultura açoriana, do ecoturismo e da redução dos estragos das cheias no Rio Araranguá; como também o asfaltamento da Serra do Faxinal em Praia Grande e da Rocinha em Timbé do Sul são indiscutivelmente positivos para o ecoturismo e a integração da cultura serrana e açoriana do litoral. Até a Interpraias, agora denominada de SC-100, seria bem vinda se atender as exigências ambientais de modo satisfatório, pois viabilizaria a implantação de pousadas ecológicas às margens do traçado, desde Passo de Torres até Araranguá, complementando com a ponte sextavada no lugar da balsa. A dinâmica do escoamento de produção e do turismo, por exemplo, devem ser trabalhados com muito planejamento, pois serão seriamente exigidos em todas as esferas que mantém a dinâmica das nossas vidas.

 OBS. Reiteramos a necessidade de criarmos projetos que venham a potencializar nossos recursos naturais, como a implantação de usinas eólicas para a geração de energia limpa e mais barata a população regional (como entre Ilhas e Barra Velha), a criação de uma rodovia ecológica que possibilite a exploração do belo e encantador visual dos Aparados da Serra Geral (entre o Morro Grande, Timbé do Sul, Jacinto Machado e Praia Grande), apenas para citar dois exemplos de ações inovadoras, porém, antes é preciso aceitar a idéia/proposta de criar um plano de desenvolvimento para a região.

Um plano de desenvolvimento para avançar é preciso, antes de qualquer coisa, estabelecer um pacto de união entre as forças políticas da região (acima de interesses partidários), reforçando o espírito de integração regional. Antes da elaboração de um plano é preciso conhecer profundamente as potencialidades e reconhecer os pontos fracos, ou seja, traçar com coragem e determinação um mapa das vulnerabilidades sócio-econômicas e ambientais da região. A ausência de uma ‘’cultura de elaborar projetos’’ por parte das administrações municipais, de planos diretores participativos e de sistemas de esgotamento sanitário, precisam urgentemente fazer parte das gestões municipais. A adequada aplicação de verbas na preservação e distribuição dos recursos hídricos para a agricultura orgânica e as indústrias sustentáveis devem ser consideradas pelas administrações públicas, da mesma forma que o gerenciamento costeiro precisa ser encarado como disciplinador da expansão urbana na margem litorânea.

Complementando com a estratégica transformação das APPs em Unidades de Conservação (UC) como forma de preservação e habilidade na captação de recursos financeiros ‘’a fundo perdido’’ em infra-estrutura de conforto aos visitantes. A implantação da FAMA em Araranguá ou a criação de fundações nos demais municípios seria outro grande avanço na questão da fiscalização e do licenciamento ambiental, tornando-se assim, independentes e ‘’livres da FATMA e do IBAMA’’, captando as taxas de procedimentos, como alvarás de licenciamento, multas de fiscalização e outros permanecerão e serão direcionados aos cofres dos próprios municípios.

Uma equipe qualificada multidisciplinar pode conduzir as premissas até chegar às diretrizes que irão definir as metas a serem cumpridas, num período a ser estipulado. Concluímos citando a importância da criação de um ‘’Observatório do Clima’’ na região epicentro do furacão Catarina e de outros eventos extremos do clima, como as violentas enchentes, as chuvas de granizo gigante, os ciclones extratropicais e os tornados (Um projeto com recursos internacionais deverá ser anunciado em breve, tendo como sede a Bacia Hidrográfica do Rio Araranguá). Precisamos de forma responsável investir urgentemente em prevenção e adaptação, afinal a nossa região seja, talvez, a que mais registro possui de ocorrências e adversidades climáticas do Brasil! Isto não é bom, entretanto precisamos tirar proveito desta trágica e irreversível situação, da mesma forma que fizeram no Vale do Itajaí.

A proposta mais uma vez está colocada. Esta não é primeira vez que alertamos sobre a necessidade de planejamento para a região via Fórum de Desenvolvimento do Extremo Sul Catarinense (FDESC) e suas respectivas Câmaras Técnicas, tema que poderá ser debatido em parceria com a 22º SDR, as Universidades e/ou qualquer outro órgão ou segmento disposto a contribuir com o desenvolvimento do coletivo sul catarinense.
Araranguá, Santa Catarina, 01 de janeiro de 2010.


13 janeiro, 2012

O DESENVOLVIMENTO DE ARARANGUÁ E DA REGIÃO DO EXTREMO SULCATARINENSE - AMESC

O DESENVOLVIMENTO DE ARARANGUÁ

E DA REGIÃO DO EXTREMO SUL CATARINENSE (AMESC).

(Texto escrito no início de 2010)


Um olhar socioambiental para o município em que adotei para viver em 1984, no qual orgulhosamente fui agraciado com o titulo de ‘’Cidadão Araranguaense’’ em 2004, apesar de haver nascido na então vila de Praia Grande em 1951, na época pertencente ao município de Araranguá. Todavia com um olhar mais abrangente, pois não podemos pensar apenas em nós município pólo, mas em toda região do extremo sul do Estado de Santa Catarina nesta histórica virada de década, de novos governantes, de expectativas e sonhos. Registramos, porém, que o olhar não se estende a outros setores do qual não temos domínio e/ou profundo conhecimento, tanto de dados quanto de informações, como da Saúde, Educação, Economia, Pesca, Agricultura, entre tantos outros. No entanto reafirmamos que a questão socioambiental é de relevância e sentido transversal na vida de todos nós.


Arara Azul - Foto Luciano Candisani
Ninguém mais pode subestimar a luta pela preservação ambiental neste município, nesta região, neste estado e neste país, pois o planeta Terra é muito pequeno, tanto que qualquer atitude pessoal pode influir na biodiversidade local ou no aquecimento global, por exemplo. Antes eram apenas os ‘’ambientalistas’’ que alertavam sobre as emissões de gases efeito estufa, hoje são ‘’cientistas’’ que imploram a redução da queima de combustíveis fósseis, antes eram apenas as ‘’ONGs’’ que contestavam o avanço capitalista do consumo desenfreado, enquanto que atualmente é a ‘’ONU’’ que adverte sobre o iminente perigo apontado no Relatório Stern, ex-Diretor do Banco Mundial, que afirma categoricamente que se os atuais governantes gastarem 1% do PIB mundial na implantação de medidas preventivas contra o aquecimento global, não precisará gastar 20% do PIB mundial no ano de 2020. A questão ambiental, queira ou não, faz parte da agenda política, basta avaliar o surpreendente resultado da candidatura da ex-ministra Marina da Silva com quase 20 milhões de votos.

Nós podemos declarar e assinar que estamos fazendo a nossa parte, apesar de todas as dificuldades inerentes a dedicação voluntária na empreitada preservacionista, conjugada com a busca por uma melhor qualidade de vida para a população. Neste final de década obtivemos reconhecimento com convites para palestrar em SP, RJ, BSA, CE, na Cúpula do Mercosul em Salvador na BA, Cumpre de Los Pueblos em Santiago do Chile, na OCMAL em Quito/Equador, entre tantas outras que não cabem aqui mencionar. Nesta década de 2010 obtivemos inúmeras derrotas e significativas vitórias como a luta pelo Desvio da Duplicação da BR-101 em Araranguá, ocupação do importante cargo de Conselheiro do CONAMA e do FNMA, além de outras funções, significativas publicações e responsabilidades de relevância socioambiental neste país. OBS. Em março próximo será lançado um livro sobre os impactos do carvão na região, com um capítulo escrito por integrantes da ONGSN. Mais informações no www.tadeusantos.blogspot.com.br

Se possuíssemos o poder da mágica de transformar a matéria mesmo contrariando o princípio da sua conservação, esclarecido por Lavosier e imortalizado pela sua célebre frase ‘’NA NATUREZA NADA SE CRIA, NADA SE PERDE, TUDO SE TRANSFORMA’’, poderíamos construir um mundo melhor para a humanidade, certamente que a partir deste momento o mundo deixaria de ser perfeito, pois a transformações precisam ocorrer de forma natural para manter o equilíbrio da biodiversidade no planeta Terra. Esta breve introdução é para provocar reflexão sobre as inadequadas formas que o homem exerce sobre os recursos naturais como a água, o solo, a flora e o ar, explorando-os brutalmente para suprir suas necessidades sem se preocupar com o direito e as necessidades que estão por vir das futuras gerações. O ex-presidente do FED, Alan Greenspan, um dos mais respeitados ícones do capitalismo moderno, classificou esta conduta de ‘’ganância infecciosa’’. Isto então é preocupante! Sugerimos a leitura do COLAPSO, livro do escritor Jared Diamond para um entendimento maior sobre a decadência das civilizações.

Ator representando mineiro com a pneumonoconiose  na  rua Felipe Schmidt  em Floripa
O que a atividade carbonífera fez com os recursos hídricos da região é uma das inadequadas formas de tratar este importante e finito recurso chamado ‘’água’’. Um crime que causa não apenas prejuízo ambiental, mas social e econômico, pois retira a possibilidade de cidadãos carentes utilizarem a pesca para o sustento da escassa ceia alimentar, compromete significativamente a agricultura em todos os aspectos, elimina por um período superior a 100 anos a captação de água para o abastecimento do município de Araranguá e afugenta possíveis investimentos que necessitam de água com qualidade, enfim, é comprovadamente um malefício irreparável ao Rio Araranguá. Se nem microorganismos conseguem sobreviver com a acidez da água, quem garante que a saúde da população não estará sujeita a mutações orgânicas de efeitos colaterais irreparáveis. Todo mundo sabe do dano, mas ninguém faz nada para reverter, pois parece que passou a ser normal esta tragédia na vida das pessoas, dos empreendedores, dos políticos, dos governantes e dos agentes responsáveis pelo cumprimento da legislação. Este é apenas um exemplo de desenvolvimento que não interessa a população de Araranguá e região da AMESC. A história está registrando o descaso e a omissão!

A região do extremo sul catarinense (AMESC) é considerada uma das mais pobres economicamente do Estado de Santa Catarina, perde apenas para a região serrana de São Joaquim e Bom Jardim da Serra, porém possui, talvez, a maior riqueza natural dentre as outras, como os Aparados da Serra com seus maravilhosos canyons do Itaimbezinho e Fortaleza – os maiores da América do Sul. Na planície entre a Serra Geral e o Oceano Atlântico tem a Lagoa do Sombrio com seu maior sistema de água doce do Estado de SC, além de outras belezas naturais, destacando o santuário ecológico do Morro dos Conventos e a magnífica foz do Rio Araranguá, por exemplo. Tanto é verdade que especialistas estão apostando na candidatura da região a obtenção do reconhecimento da UNESCO, como região habilitada à classificação de intenso interesse geológico, com a implantação de um Geoparque que poderá ser denominado de Mampituba ou Itaimbezinho, mas estendendo-se até Torres e a Serra do Rio do Rastro, formando um triângulo inigualável em riquezas geológicas. Daí a importância da implantação do Comitê de Bacias do Mampituba e outros avanços organizacionais e de governança que serão rigorosamente avaliados pelos técnicos da UNESCO.


(A PARTE FINAL CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO)