29 janeiro, 2010

CARVÃO AQUI NÃO!

Momento Histórico para Araranguá e Região.


A Câmara de Vereadores poderá votar no próximo dia 03/02/2010 o projeto do Vereador Chico Merencio contra a instalação de minas de carvão no Município de Araranguá. Na primeira votação em dezembro, houve a aprovação por unanimidade, esperamos que os Vereadores mantenham a mesma posição e o Prefeito Mariano sancione. OBS. Se o resultado não agradar as mineradoras, que as mesmas entrem na justiça e reclamem o direito de poluir...

Depois de mais de meio século poluindo o Rio Araranguá, mineradoras de Criciúma pretendem instalar-se em solo araranguaense na busca do minério que os enriquece e ao mesmo tempo deixam um rastro de degradação ambiental por onde passam (água, terra, flora e ar, além da fauna).

O Mundo inteiro está abandonando a queima de combustíveis fósseis por causa do aquecimento global, que causa o desequilíbrio na camada de ozônio, interferindo da climatologia da Terra e consequentemente gerando as trágicas mudanças climáticas. Araranguá não pode andar nesta contramão da História, pois justamente é o município no Brasil que já foi desgraçado com todos os eventos extremos possíveis do clima.

O belo e caudaloso Rio Araranguá não tem vida alguma por causa da água de mina, um crime e um prejuízo não só ambiental, mas social e econômico, pois famílias deixam de complementar a ceia alimentar com a pesca, a agricultura fica comprometida com a água ácida e outras atividades deixam de instalar-se no município por causa da água poluída pelo baixo pH.

Mediante o incontestável fato, o Poder Legislativo e Executivo devem atender a vontade da esmagadora maioria da população araranguaense que não quer mina de carvão em seu solo e subsolo, da mesma forma que os municípios de Orleans e Cocal do Sul, que como Araranguá ainda possuem um alto índice de IDH e saudável qualidade de vida porque rejeitaram esta brutal agressão à natureza.

O Município de Araranguá (e Maracajá também) deveria não só proibir a exploração de carvão em seu território, mas promover ações judiciais contra as mineradoras pedindo medidas compensatórias pelos danos causados aos recursos naturais e à população, que pode estar paulatinamente adquirindo doenças, porém como ‘’não matam na hora, não assustam’’, mas o comprometimento causa malefício à saúde em longo prazo.

OBS. A contaminação é tão grave na bacia hidrográfica do Rio Araranguá, que estudos da UFSC afirmam que se a mineração parasse de poluir, o Rio Araranguá precisaria de 100 anos para voltar a ter água potável e peixes em abundância, tanto de água doce quanto de salgada.

CARVÃO AQUI NÃO! O Movimento já conta com 15 Entidades.


Coordenação ONG Sócios da Natureza

14 janeiro, 2010

POLUIÇÃO SONORA: A TERCEIRA MAIS MALÉFICA...

TRAFICANTES SONOROS!!!
(como não há tempo hábil para reclamar dos ‘’surdinhos ao volante’’, a baderna sonora continua em todas as cidades!!!)


Estamos percebendo um sério problema relacionado à poluição sonora em Araranguá e Balneário Arroio do Silva ou em qualquer outra cidade, que está passando batido pela falta de comunicação entre a população que sofre com o barulho e a autoridade responsável. Tentaremos explicar o fato que concluímos numa análise neste final de ano em conversa com amigos que também estão revoltados com o abuso do som alto nas ruas, tomado por jovens que esnobam suas preferências musicais com liberdade total, como se todos nós fizéssemos parte do seu show de ruído/baderna e ingestão de álcool/drogas. Descargas abertas em motos e agora também em veículos fazem muito mais mal a saúde pública do que uma estacionada em local não permitido, por exemplo, porém de difícil aplicação de multa pela infração.

O raciocínio parte do princípio que um veículo parado / estacionado emitindo música alta, a vizinhança suporta um determinado tempo e depois reage, conversando com o autor da agressão sonora ou ligando para a polícia, enquanto que o som alto de um veículo circulando numa via pública não proporciona tempo hábil ao cidadão afetado e revoltado, nem de reclamar ao idiota do motorista ou de ligar para a polícia. A irritação é momentânea e o desconforto é rápido. Assim ocorre com todos da mesma rua ou avenida por onde o veículo passou em pouca ou alta velocidade. O transgressor pela dinâmica descrita se passa impune perante todo o malefício provocado a população. Enquanto ocorre esta tênue linha de tolerância, as pessoas passam a se acostumar na marra a ter que ouvir um som imposto no seu dia a dia de trabalho ou de lazer. Ou seja, fica muito difícil identificar o transgressor pela placa, principalmente no Arroio do Silva, onde grande parte deles são de outros municípios e até de outro estado. Além do mais, as pessoas não querem reclamar com receio de represálias ou mesmo porque não é confortável, mas intensamente constrangedor estar indo a uma delegacia. Enfim, somando-se as centenas de veículos que produzem qualquer tipo de ruído irregular todos os dias é o suficiente para desencadear todas as cientificamente comprovadas maleficências da poluição sonora à população.

Basta investigar cuidadosamente que ninguém gosta de ter sua conversa interrompida por algo insignificante, pior então quando está ao telefone, porém o insuportável é o pânico para quem está repousando, um enfermo ou para uma criança dormindo. Por outro lado não temos nenhuma informação sobre pessoas que aplaudem ou adorem ver e ouvir estes idiotas disc-jóqueis ambulantes e impostores interferindo na liberdade dos outros, com seus carros sem o silenciador da descarga e o catalizador...

Por isso rogamos as autoridades (Polícia Militar e Civil, MPE, PM Araranguá e Arroio do Silva) que sejam mais rigorosos com os transgressores facilmente identificáveis com a abundância tecnológica dos equipamentos de som instalados nos veículos. Além do artigo 42 da Lei de Contravenções Penais existem outras sobre o trânsito que não permitem transitar com som alto até por uma questão de segurança no tráfego. Pela emissão do venenoso gás carbônico e gás efeito estufa pelas descargas alteradas.


OBS. Voltamos a denunciar que jovens desajustados utilizam as vias públicas diariamente como se fossem pistas de competição.

OBS. Achamos perfeitamente aceitável que haja diversão com muitas festas, como também o barulho normal de uma cidade, mas baderna não!

OBS. Se não fosse o empenho da PM durante o ano de 2009 e principalmente no final de ano, certamente a situação estaria pior. Porém é preciso que a Polícia Civil e as Prefeituras passem também a agir com o respaldo do Ministério Público Estadual.

OBS. Uma audiência pública seria estratégica para debater o conflito da poluição sonora.

Tadeu Santos - ONG Sócios da Natureza / Araranguá – SC, 12 de Janeiro de 2010.

OBS. Sugerimos o link abaixo para quaisquer consultas sobre legislação acerca de poluição sonora.

http://www.gmvarginha.com.br/legislacao/perturbacao_sossego.htm
Um exemplo: Perturbação do trabalho ou do sossego alheios
Art. 42. Perturbar alguém, o trabalho ou o sossego alheios:
I-com gritaria ou algazarra;

II-exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais;

III-abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;

IV-provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem guarda:

Pena-prisão simples, de 15 (quinze) dias a 3 (três) meses, ou multa.

* Vide o disposto no art. 2° da Lei n° 7.209, de 11 de julho de 1984, sobre a pena de multa.

03 janeiro, 2010

COMO DOAR / CONTRIBUIR COM A ONG SÓCIOS DA NATUREZA

ARRECADAÇÃO
A ONG Sócios da Natureza chegará aos 30 anos de existência no dia 06 de Junho de 2010, para isso iniciará pela primeira vez em sua história uma campanha para arrecadação de donativos para manter a sobrevivência e dinâmica da organização voluntária e sem fins lucrativos, indicando a Conta nº 17095-3 da Agência 0427 da Caixa Econômica Federal de Araranguá. Qualquer quantia pode ser depositada tanto por pessoa física ou jurídica. Desde já agradecemos as contribuições. Os doadores que quiserem ter seus nomes divulgados devem entrar em contato com a coordenação da ONG pelo telefone 99850053 ou pelo e-mail sociosnatureza@contato.net